vídeo

Cristiano Lenhardt / Sobre a prática de arte: Os trabalhos que realizo são geralmente vídeos, apresentações, observações, fotografia, desenho, ou com outros meios. Por meio da prática artistica me coloco no mundo, aos poucos descobrindo na ação como que a expressão que é uma manifestação, constrói uma série de entendimentos que tratam de como se vive, de como se responde a vida, de como se aceita a vida e como se assume a vida. Essas manifestações de expressão se dão por atração e transformação de materiais e símbolos. Me interessa trabalhar com o que eu tenho a mão, me interessa a falta. Me interessa descobrir as doses. Me interessa o milagre. Me interessa a ilusão de profundidade aceita ao ver a superfície do plano/tela. A soma de projeções sustenta um espaço infinito. A projeção daquele que olha e a projeção da imagem. O projeto está situado neste infinito, o desenho é o principio de contato entre o infinito e o entendimento.
Fernanda Magalhães / Penso na minha produção como forma de sobrevivência. Afogada nas relações devoradoras do dia a dia e frente à lucidez da vida e da morte, eu penso a arte como única possibilidade de vida. Assim, o trabalho é resultado direto de minha ação como artista, não só em minha produção artística, mas também no cotidiano. Uma ação política de vida. Meus projetos abordam o corpo e em especial o da mulher gorda. Este interesse surgiu na vivência com o meu corpo e a partir de questões muito pessoais. No encadeamento das produções os trabalhos se expandiram das mulheres gordas para pensar nas mulheres e na diversidade, da fotografia para o desenho e a performance. Uma atuação com todo meu corpo pensando nas questões contemporâneas que são de todos nós. (trecho do texto Conexões Arte Vida, em anexo)      Links de site/blogs que faço: www.fernandamagalhaes.com.br fermaga.blogspot.com/ artetransmultiflexmixmultimaga.blogspot.com/ artesfernandamagalhaes.blogspot.com/ fermagalha.tumblr.com/ Tese de doutorado: cutter.unicamp.br/ Referências ao meu trabalho: www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/agosto2008/ju403pag4.html www.ucm.es/info/especulo/numero39/mitoarte.html vsites.unb.br/ih/his/gefem/labrys11/ecrivaines/luana.htm cutter.unicamp.br/document/?code=vtls000441751 www.seer.ufu.br/index.php/neguem/article/viewFile/378/403 www.youblisher.com/p/80074-Corpo-e-Fotografia/ pt.scribd.com/doc/6437097/Perform-Are-a-DesEducacao-Do-Corpo-Maria-Rita-a-Cesar
Inês de Araújo / Meu trabalho parte de uma prática do desenho. Me interesso por séries e repetições pois sugerem o processamento de uma prática de rastros. Séries e repetições flagram desvios, deslocam o sentido das imagens. São operações práticas, mas além de condicionar o exercício de um trabalho, acusam o esgotamento dos conteúdos que investem suscitando questões inesperadas. Repetir e esgotar um gesto, uma forma, uma imagem, rebate o foco de resultados visíveis para o trabalho dos processamentos do olhar. Desviar o foco devolve ao visível o lugar do que falha, do que se esboça, do que resiste a representação. Uma pergunta se torna difusa, não diz mais respeito ao que vemos, mas ao como vemos. Nela, mais do que o poder de fixar semelhanças, identidades, está em jogo uma imagem que escapa e a possibilidade de dissolver e deslocar representações. A sugestiva imagem persiste encoberta, produzindo descontinuidade sobre as certezas do olhar.